Conheça quem apoia os nossos resgates.
Nos ajude mensalmente. Saiba como!
Assista aos vídeos do nosso dia a dia.
Siga-nos pelas redes sociais.
Dúvidas? O Rancho Responde!
Bootstrap Slider
Página Inicial Cotia-SP, 21 de Agosto de 2019



Área do Associado

E-mail:
Senha:
Lembrar senha 




Arnaldo Jabor fala sobre o consumo de carne...

OUÇA AQUI

Arnaldo Jabor fala à CBN sobre os problemas causados ao meio ambiente pelo consumo de carne e derivados, vale a pena. Com seu humor característicos ele põe em pauta um assunto que seria engraçado se não fosse trágico: o pum da vaca.

Abaixo, a íntegra do comentário

“Amigos ouvintes,
A humanidade está um nó difícil de desatar. Eu falo da economia? Não. Eu falo das guerras? Não. Eu falo de ecologia.

Ah, trata-se do desmatamento da Amazônia? Não. Nem do futuro racionamento de água, também não. Eu leio nos jornais que uma das causas mais perigosas do efeito estufa, do aquecimento global, é a nossa dieta de carne vermelha. Isso está escrito: temos que comer, no máximo, 400 gramas por semana, de carne. Ou seja, quase nada. Por que?

Bem, se essa dieta for adotada no mundo todo, diminuindo o consumo de carne, os especialistas calculam que haveria uma redução de mais de 10% na emissão de gases estufa, o que traria também uma economia de US$20 trilhões nos custos de luta contra as mudanças climáticas.

Em primeiro lugar, porque se diminuirmos a ingestão de carne bovina, ovina ou suína, a criação extensiva de animais diminuiria, porque o consumo também baixaria, assim haveria muito mais terra ocupada por vegetação anti-poluente, que consome o CO2. Além disso, e é aí que mora o nosso absurdo planeta, haveria também uma diminuição na emissão de gás metano, que os animais produzem em seus intestinos e que é espalhado na atmosfera.

Os cientistas calculam que tem que cair muito essa emissão de gases para evitar graves alterações climáticas como secas e elevação do nível dos mares.

É um beco sem saída. Se comermos muita carne, morrem as florestas e mais: os rebanhos aumentam. E, senhores, com a licença da palavra, os “puns” dos bois e vacas farão uma crescente sinfonia de gases, sufocando o planeta. Ou seja, depois de milênios de lutas, esforços, guerras, paz, grandes invenções, a arte, a cultura, a ciência, a razão, todos os orgulhos da humanidade, tudo isso poderá ser destruído pelos “puns”, isso, “pum, pum, pum”, para lá, “pum pum”.

Quem diria… Achávamos que acabaríamos em guerra total e ataques de ETs, ou queda de asteróides… Não, seremos destruídos, entre outras besteiras humanas, pelos “punzinhos” e inocentes boizinhos. Aliás, pensando bem, a humanidade não merece muito mais que isso.”

Texto reproduzido da fonte Vista-se.

---

André Trigueiro discorre sobre a relação entre homem e animais de produção, além de falar sobre dietas alternativas e sua importância para o planeta. Ouça:



Trecho reproduzido da fonte ARCA Brasil.