Conheça quem apoia os nossos resgates.
Nos ajude mensalmente. Saiba como!
Assista aos vídeos do nosso dia a dia.
Siga-nos pelas redes sociais.
Dúvidas? O Rancho Responde!
Bootstrap Slider
Página Inicial Cotia-SP, 26 de Abril de 2017



Área do Associado

E-mail:
Senha:
Lembrar senha 




Vídeo do leão Will é sucesso internacional

O vídeo do leão Will pisando na grama e terra pela primeira vez, após viver 13 anos em uma carreta de circo, emocionou muitas pessoas em todo o mundo esta semana. O vídeo se tornou um "viral" e foi repercutido em muitos sites/blogs internacionais. Até o momento, o vídeo que postamos em nosso canal do Youtube já conta com mais de 1 milhão e 200 mil visualizações. No vídeo postado em nossa página do Facebook são 415 mil visualizações e mais de 1 milhão de pessoas alcançadas pela postagem.

Toda essa repercussão internacional se deu a partir de uma matéria em inglês do site "The Dodo" (https://www.thedodo.com/lion-feels-earth-first-tim-1138150300.html). Queremos agradecer ao Stephen Messenger por contar a história de Will e comover tantas pessoas ao redor do mundo.



Com a repercussão do vídeo também vieram alguns questionamentos sobre o porquê não soltá-lo no ambiente natural de sua espécie. Primeiramente é preciso esclarecer que Will nasceu em cativeiro (no circo), já era um leão de meia-idade e tinha várias sequelas de maus-tratos, internas, externas e psicológicas (esses animais chegam com as garras arrancadas e os dentes serrados). Ainda que tivéssemos condições de soltá-lo em uma reserva africana (já que é um animal exótico pertencente à fauna africana), Will não teria condições de viver na natureza selvagem e dependeria de cuidados veterinárias e de auxílio para se alimentar. Will nasceu no Brasil e fizemos todo o possível para que ele tivesse uma vida tranquila, ainda que em cativeiro, mas com dignidade.

O Rancho dos Gnomos faz um trabalho educacional de despertar de consciência para que as pessoas não frequentem circos com animais, pois o resultado final é esse: um animal descartado, totalmente marginalizado, negligenciado, além de obviamente ficar anos em um circo sendo violentado. Não frequentar circos com animais e se posicionar contra essa prática é o primeiro passo para que outros animais não passem pela mesma experiência de Will, que viveu 13 anos de escravidão.

A história de Will está em nosso site: http://www.ranchodosgnomos.org.br/historia.php?id=25